Barbosinha fecha quadro de entrevistas em rádio e mostra conhecimento de causa em gestão pública

  • Post Author:
  • Post Category:BLOG

O deputado Barbosinha, candidato a prefeito do DEM, fechou neste sábado (7) o quadro de entrevistas concedido pela rádio Grande FM e mostrou que o desafio de administrar Dourados deve ser exercido por alguém já capacitado em gestão pública. “Não podemos mais ficar negligenciando dos cuidados necessários que a cidade reclama”, afirmou o candidato, entrevistado pelos radialistas Osvaldinho Duarte, Daniel Santos, Cícero Faria e Paulo Vagner. Antes dele, os outros seis candidatos já tiveram oportunidades de falar sobre o que pretendem fazer no comando do Município.

Barbosinha respondeu perguntas nas áreas de Saúde, Educação, Desenvolvimento Econômico, Infraestrutura, Segurança, Cultura, Esporte, entre outros temas e falou, principalmente, sobre o novo cenário que se apresenta, a partir do ano que vem, no pós-pandemia, para que as famílias voltem a conviver sem o fantasma da doença e as crianças possam voltar pra escola em segurança, com o reforço da tecnologia, com professores capacitados, treinados e preparados a esse novo tempo.

O próximo prefeito vai ter que concluir obras e, mais do que isso, construir parcerias com entidades que sempre se mostraram dispostas a colaborar com Dourados, na saúde e educação, inclusive, e não tiveram o respaldo oficial. O candidato disse que vai resgatar a autonomia escolar, promover qualificação permanente dos profissionais da área, concluir obras inacabadas dos Ceims (Centros de Educação Infantil), reforçar a área de saúde com mais médicos e dentistas, remédios na farmácia pública, centro de diagnóstico de exames e até a abertura de postos de atendimento 24 horas, para desafogar a UPA e o Hospital da Vida.

Na questão de valorização do funcionalismo, Barbosinha disse que é preciso equalizar as contas, compatibilizar os recursos, recuperar os índices de Dourados na captação de recursos do ICMS, por exemplo, sem penalizar o contribuinte, sem aumento de tributos, mas cuidando de fazer gestão com eficiência. “Investir em obras, em novas frentes, mas, principalmente, devolver o encantamento no servidor pra bem atender, porque servidor satisfeito significa comunidade bem atendida”, receitou.

O candidato a prefeito disse acreditar que a atual administração vai deixar, pelo menos, encaminhado o processo licitatório para a compra de material e uniforme escolar ao início das atividades educacionais do próximo ano, porque, ao assumir em janeiro, “não haverá tempo hábil para essas medidas, porque senão teremos problema para começar o ano, mas não vou deixar a Educação sem a atenção que merece”.

Experimentado em gestão pública como presidente da Sanesul por mais de sete anos, secretário estadual de Justiça e Segurança Pública por quase dois anos e atualmente no segundo mandato como deputado estadual, Barbosinha apontou soluções que considera viáveis para tirar Dourados “desse grave momento, dessa delicada crise de gestão em que vivemos”, indicando, inclusive, com números, as ações já realizadas para ajudar o Município. Ele voltou a defender ações integradas com as entidades, no âmbito do Município e do Estado. Disse que, por essa condição adquirida, reúne as condições de cobrar, dos Governos do Estado e da União, as medidas e ações de apoio para retomar o desenvolvimento local.

O candidato a prefeito manifestou preocupação com as famílias de imigrantes que vieram para Dourados, em busca de melhor condição de vida e que se somam às mais de 12 mil famílias, conforme levantou, que vivem abaixo da linha de pobreza. “Porque ninguém fala sobre isso? Porque não tratam esse problema de grave consequências sociais, com a seriedade que ele merece, porque até agora essa situação vem sendo ignorada?”, questionou. Barbosinha disse que vai retomar o Qualifica Dourados, programa de capacitação para o emprego, que funcionou na gestão do ex-prefeito Murilo e preparar essas pessoas para o mercado de trabalho, além de estimular atrativos de geração de emprego e renda.

‘Eu conheço os caminhos’

“A pandemia está nos ensinando a olhar o próximo, tratarmos as pessoas de forma mais humana, precisamos agora dar condição para que a iniciativa privada, as PPPs (parcerias público privadas) e a participação das universidades, possa ser melhor utilizada no desenvolvimento da cidade”, citou Barbosinha. Ele disse que administrar Dourados não se limita a recolher lixo, trocar lâmpadas, cortar o mato dos canteiros centrais, “isso é o mínimo, e nem isso está sendo feito de forma eficiente”.

Barbosinha disse que vai encontrar um quadro deprimente, deficitário, escolas sem manutenção, falta de postos de saúde, e de médicos e dentistas, Centros Sociais sem equipamentos para atender as famílias, estradas rurais sem manutenção, parque rodoviário sucateado, mas “vamos recuperar essa situação com gestão, buscar os recursos onde eles existem, porque eu conheço os caminhos de Campo Grande e de Brasília, tenho o apoio político para abrir portas”.

Durante a entrevista, Barbosinha abordou todos os assuntos colocados pelo grupo de jornalistas da emissora. Não fugiu das respostas e ainda disse que espera contar com a sensibilidade e o discernimento da população, na questão ambiental por exemplo. “Nós vamos criar as condições para que o douradense viva em uma cidade viável, por isso queremos a participação de todos, ajudando a discutir as demandas, os projetos e a melhor solução para a Dourados que queremos para todos os douradenses”, concluiu.